Voltar

Instituto CCR nas Olimpíadas Rio 2016

09.09.2016 | Institucional

Os jogos Olímpicos Rio 2016 encheram os brasileiros de orgulho com a emocionante cerimônia de abertura, medalhas e conquistas com o empenho e muita garra dos atletas brasileiros. O Instituto CCR comemora, compartilha desse sentimento e faz uma retrospectiva de como esteve presente nesse evento tão importante para o esporte mundial.
Marcando a volta do rugby como esporte olímpico, o Instituto participou do “Rugby is GREAT”, conferência realizada pelo British Council, na British House Rio, com o intuito de promover a educação de excelência das universidades britânicas e debater o desenvolvimento de pessoas e comunidades pelo poder do esporte.


O encontro apresentou a modalidade como um meio de desenvolver habilidades como liderança, trabalho em equipe e autoconfiança entre os participantes. “Explanamos sobre como conseguimos usar o esporte como ferramenta para a mudança social e apresentamos o vídeo “Transformando Caminhos”, que mostra como o rugby mudou, não só a cidade de São José dos Campos, onde tem a forte atuação do São José Rugby, como a família Lopes, que ganhou nova perspectiva com o esporte”, explica a gestora do Instituto CCR, Marina Mattaraia.


Além de estar presente nesse importante evento de fomentação ao esporte, o Instituto teve sua presença dentro das quadras e campos, com atletas de projetos apoiados.
No rugby, dos 24 atletas convocados, 11 atuam em projetos aportados pelo Instituto CCR. As duas seleções fizeram boas apresentações, a masculina encerrou em 12ª colocação, mas com o sentimento de dever cumprido ao disputar jogos com as potências da modalidade, Fiji, que sagrou-se campeã, além de Estados Unidos e Argentina.

A equipe feminina encerrou em 9º lugar e garantiu sua vaga direta para a disputa do Circuito Mundial de Rugby Sevens 2016/2017, a principal competição anual da modalidade.
E, se dentro de campo os atletas foram exemplos de superação, nas quadras o brilho foi certeiro com a conquista do ouro pela seleção masculina de voleibol, que contou com três atletas do Vôlei Taubaté, apoiados pelo Instituto CCR, Wallace, Lucarelli e Éder. 


Em sua primeira Olimpíada, o ponteiro Ricardo Lucarelli, de 23 anos, foi o atleta mais novo convocado para representar o Brasil. Apesar de ter sofrido uma lesão na reta final, conseguiu entrar no sacrifício e atuar ao lado do grupo para a grande conquista.  


“Os resultados foram animadores e mostram que o investimento em projetos esportivos, voltados para a área social é importante, pois ajudam no desenvolvimento de melhores cidadãos, assim como estimula as futuras gerações de atletas”, conclui Marina.

Marina Mattaraia explanou sobre os projetos apoiados pelo Instituto CCR Marina Mattaraia explanou sobre os projetos apoiados pelo Instituto CCR
Autor: Rodolfo Rizzo