Voltar

Patrocinado por concessionárias do Grupo CCR, Projeto Guri ensina música para crianças e jovens

20.06.2018 | Cultura e Esporte

Criado em 1995, o Projeto Guri oferece, nos períodos de contraturno escolar, cursos de iniciação musical, luteria, canto coral, tecnologia em música, instrumentos de cordas dedilhadas, cordas friccionadas, sopros, teclados e percussão, para crianças e adolescentes. As aulas abordam os mais variados gêneros musicais, desde canções populares até composições clássicas. 

Até hoje, cerca de 700 mil alunos já passaram pelo Projeto Guri, que está presente em 279 municípios do Estado de São Paulo. Cada uma dessas cidades conta com um polo de aprendizado, criado em parcerias com as prefeituras. 

Para participar, não é preciso possuir conhecimento prévio de música e nem um instrumento musical. Basta ter entre 6 e 18 anos incompletos, procurar um polo com disponibilidade de vagas e comprovar frequência escolar. Para os jovens que estão na Fundação CASA, a faixa etária é de 12 a 21 anos. 

“O aluno entra, escolhe o instrumento que deseja aprender e passa por vários estágios de aprendizado dentro do projeto. Inclusive, ele pode fazer mais de um curso se quiser”, explica a gerente de Comunicação e Marketing da entidade, Maria Eugênia de Menezes.

Porta de entrada para a carreira musical

Alunos com idade a partir dos 12 anos podem pleitear uma vaga em um dos 12 grupos de referência do Projeto Guri. Trata-se de pequenas orquestras, com diferentes formações, como câmera alta de violão, orquestra sinfônica e big band, por exemplo. 

“Nesse caso, o aluno participa de um processo seletivo, no qual precisa provar sua aptidão para a música. Ao ser aprovado, ele passa a receber uma bolsa e participa de ensaios semanais. É como um estágio em uma orquestra. Desses grupos de referência, muitos jovens vão para escolas de música e conservatórios”, conta Maria.

É o caso de Bianka Faria Silva, que ingressou no polo de Jundiaí (SP) do Projeto Guri em 2013, onde aprendeu a tocar saxofone e violino, instrumento a que se dedica até hoje.

“Hoje eu estudo violino, teoria musical e faço parte do coral adulto na Escola Municipal de Música de São Paulo (EMMSP). Com ótimos professores, o projeto foi a primeira porta que se abriu para que eu pudesse conhecer a música mais a fundo”, conta a estudante, hoje com 17 anos de idade. 

Concessionárias ajudam a manter o ritmo

O Projeto Guri é mantido pelo Governo do Estado de São Paulo, mas também conta com a ajuda da iniciativa privada. As concessionárias CCR AutoBAn e CCR SPVias são patrocinadores da iniciativa em parceria com o Instituto CCR. 
Na CCR SPVias, o apoio ocorre via Fundo Municipal da Criança e do Adolescente (Fumcad). O primeiro aporte aconteceu em 2013.

“Acreditamos que a iniciativa se alinha às diretrizes do Grupo CCR, que é levar desenvolvimento às regiões onde atua. O Projeto Guri pode melhorar, e muito, a vida das crianças e dos jovens participantes, bem como de suas famílias por meio da música e do relacionamento que desenvolvem com os colegas e educadores”, afirma Débora Aguiar, da área de Responsabilidade Social da concessionária. 

Já a CCR AutoBAn apoia, desde 2010, oito polos do projeto, que ficam no entorno do Sistema Anhanguera-Bandeirantes. O aporte é feito por meio do Fumcad e da Lei Rouanet, de acordo com a gestora de Comunicação Social da unidade de negócio, Marta Calha.

“Com o nosso apoio, crianças e adolescentes têm a oportunidade de participar de aulas de iniciação musical, o que permite, além da formação cultural, o desenvolvimento de várias outras habilidades, como o raciocínio matemático.  Além disso, ter como parceiro um projeto de grande relevância no Estado de São Paulo como o Guri só engrandece a nossa atuação de responsabilidade social”, destaca. 

Bianka Faria Silva aprendeu a tocar saxofone e violino Bianka Faria Silva aprendeu a tocar saxofone e violino
Autor: Divulgação